Home Geral VAZA-JATO ATINGE PT: mensagens mostram que OAS assumiu obra deficitária na Bolívia a pedido de Lula

VAZA-JATO ATINGE PT: mensagens mostram que OAS assumiu obra deficitária na Bolívia a pedido de Lula

5 primeira leitura
0
0
106
O jornal Folha de S. Paulo, em parceria com o site The Intercept, divulgou na última segunda-feira (16.set.2019) mais uma conversa de integrantes da força-tarefa da Lava Jato, no caso que ficou conhecido como Vaza Jato. Segundo a reportagem, o empresário Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, ao negociar acordo de delação, mencionou que o ex-presidente Lula teria intermediado negócios da empresa com governos na Costa Rica e no Chile.
O relato da proposta de delação de Léo Pinheiro que, segundo o jornal, foi compartilhada por procuradores da Lava Jato no aplicativo Telegram apontam que Pinheiro afirmou também que a construtora assumiu uma obra na Bolívia para agradar ao petista. De acordo com ele, Lula queria evitar um desgaste nas relações do Brasil com o governo de Evo Morales.
A obra mencionada é a construção de uma estrada entre as cidades de Potosí e Tarija. A construção havia sido iniciada pela Queiroz Galvão em 2003, porém, o contrato foi rompido em 2007 porque o conglomerado se envolveu em um embate com o governo de Evo, que cobrava a reparação de fissuras em pistas recém-construídas.
Segundo reportado pela Folha de S. Paulo, o empreiteiro relatou que Lula articulou um financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na Bolívia e prometeu à OAS a obtenção de um outro contrato no país como forma de compensação por tocar um projeto.
De acordo com as mensagens, Léo Pinheiro disse que o governo brasileiro afirmou que o impasse proporcionava “riscos diplomáticos” ao país. A paralisação da construção da estrada começou a criar protestos nas regiões afetadas.
Pinheiro teria afirmado ao então presidente Lula que a obra seria deficitária, diante dos trechos que precisariam ser consertados e dos preços previstos. A resposta teria sido a de que Evo estaria disposto “a compensar economicamente a empresa, adjudicando um outro contrato em favor da OAS”.
A reportagem alega que foi dito em depoimento que a Bolívia retirou sanções impostas à Queiroz Galvão, autorizou a transferência do contrato e licitou um outro trecho no qual a OAS se saiu vencedora. Após a empresa assumir a obra em 2009, Pinheiro contou que a situação desandou mais adiante, já no governo Dilma Rousseff (PT), quando a área técnica do BNDES pôs entraves ao financiamento.
O contrato da OAS acabou cancelado pela Bolívia e, de acordo com as mensagens sobre o depoimento, à empresa só restou negociar para retirar seus equipamentos e obter uma devolução de garantias, “após apelos de Lula”.
O custo total da construção da estrada, de 340 km, foi estimado pela Bolívia na década passada em US$ 226 milhões (atualmente, em torno de R$ 925 milhões).
Fonte: Polêmica Paraíba – Publicado por: Felipe Nunes
Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Geral

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Ambientalistas são presos acusados de causar incêndios no Pará

Ao menos quatro brigadistas da ONG Saúde e Alegria foram  presos na manhã desta terça-feir…