Home Notícias Ambientalistas são presos acusados de causar incêndios no Pará

Ambientalistas são presos acusados de causar incêndios no Pará

3 primeira leitura
0
0
1

Ao menos quatro brigadistas da ONG Saúde e Alegria foram  presos na manhã desta terça-feira (26), em Santarém, no Pará. A prisão preventiva aconteceu na operação Fogo do Sairé, que investiga a origem dos incêndios que atingiram a região de Alter do Chão, em setembro deste ano. A polícia civil afirma que ONGs atuaram para causar os incêndios e, desta forma, conseguir patrocínio para combater os incêndios na Amazônia.

Em entrevista para a TV Tapajós, o delegado José Humberto de Melo responsável pela investigação afirmou que “os próprios brigadistas estavam no momento do início do incêndio, filmavam e depois retornavam para apagar o mesmo incêndio que eles mesmo criaram”. Segundo o delegado, os brigadistas utilizavam estas imagens para vender a organismos internacionais.

O delegado afirma ainda que ONGs, como a WWF, compraram estas imagens para conseguir doações internacionais para combater os incêndios na Amazônia.

Desde 2018 a Brigada de Alter tem atuado no apoio ao combate a incêndios florestais. Alguns, inclusive, atuam como voluntários que trabalham para proteger a Área de Proteção Ambiental de Alter do Chão, em paralelo às suas atividades profissionais e pessoais – sempre ao lado do Corpo de Bombeiros. A ONG Saúde e Alegria é conhecida pelos prêmios que coleciona devido a atuação na Amazônia.

Deputados de oposição apontam este ato como uma retaliação ao trabalho de combate aos incêndios e o desmatamento que as ONGs tem feito no país.

Foi convocada para às 16h uma coletiva de imprensa na Câmara dos Deputados para tratar do assunto.

 

FONTE: Congresso em Foco

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Notícias

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Agricultores interditam estrada que dá acesso ao parque eólico em Santa Luzia

Após um ano, o problema se repete na comunidade Boqueirão/Cabaço, os agricultores decidira…