Home Notícias Urgente Investigados por tragédia em Brumadinho se entregam à polícia em MG

Urgente Investigados por tragédia em Brumadinho se entregam à polícia em MG

2 primeira leitura
0
0
76

Onze funcionários da Vale e doze da Tüv Süd, investigados por envolvimento no rompimento da barragem em Brumadinho (MG), se entregaram nesta quinta-feira (14) na Delegacia Especializada de Crimes contra o Meio Ambiente, em Belo Horizonte.

De acordo com a Polícia Civil, os homens devem ser encaminhados à penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na grande BH, e as mulheres ao Complexo Penitenciário Estevão Pinto, na capital. As mesmas unidades para onde foram levados na primeira prisão.

Segundo a Folha, na quarta-feira (13), a 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou habeas corpus aos 13 investigados por unanimidade. Ainda cabe recurso em tribunais superiores.

Os investigados foram presos anteriormente no decorrer da investigação, mas foram soltos por liminar do Superior Tribunal de Justiça (STJ). No dia 29 de janeiro, foram presos três funcionários da Vale e dois da empresa alemã, que conseguiram liberdade no dia 5 de fevereiro.

No dia 15 de fevereiro, a investigação prendeu oito funcionários da mineradora, que saíram no dia 27. Para o relator do processo, desembargador Marcílio Eustáquio Santos, a prisão dos investigados é necessária para apurar se houve omissão no acionamento do plano de ações emergenciais previsto para a barragem.

Fonte: Noticias do Pássaro

 

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Notícias

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Justiça bloqueia R$ 2,8 milhões do Governo da Paraíba para garantir pagamento de dívidas da Maternidade de Patos

A juíza Francisca Poliana Rocha de Sá, da Vara do Trabalho da cidade de Patos, determinou …